Expansão da mina do Baú poderá gerar mais de 150 empregos em Barão de Cocais

A Câmara de Atividades Minerárias (CMI), do Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam), vota o pedido de licenciamento para a expansão da mina do Baú, em Barão de Cocais. De acordo com a MR Mineração, proprietária do empreendimento, a nova capacidade produtiva proporcionará a geração de 130 empregos diretos e outros 25 indiretos.

A mina do Baú produz hoje 300 mil toneladas de minério de ferro por ano. Caso o licenciamento ambiental concomitante (LAC) seja aprovado, a extração passa a ser de 4,5 milhões de toneladas por ano, 15 vezes mais que a capacidade atual. O processo que tramita nos órgãos estaduais requer, de uma só vez, as licenças prévia (LP), de instalação (LI) e operação (LO).

A licença requerida é para dez anos. A empresa prevê 20 meses de obras após a obtenção das autorizações ambientais.  Serão necessárias algumas empreitadas essenciais, como abertura de acessos, implantação da pilha de estéril e a instalação de uma unidade de tratamento a seco móvel.

Empregos

O conteúdo continua após o anúncio

Segundo a MR Mineração, as novas vagas de emprego permitirão a produção em dois turnos de 8 horas de atividades. Ainda de acordo com a empresa, serão realizadas atividades que favoreçam o acesso da população local às oportunidades de trabalho que forem abertas, observando a disponibilidade de pessoas com formação e perfil profissional aderente às demandas específicas de cada vaga, com atenção preferencial àqueles residentes na área de impacto direto da mina.

A mina

A mina do Baú é um empreendimento que a princípio foi aberto pela Vale, detentora do direito minerário da área. Em 2014, a multinacional firmou um contrato de arrendamento com a MR Mineração, que assumiu a operação. A mina está localizada na divisa entre Barão de Cocais e Santa Bárbara, muito próximo à região de Gongo Soco, área que sofre os reflexos do risco iminente de rompimento da barragem Sul Superior, da Vale.

Atualmente, a mina do Baú está com as atividades paralisadas. Isso porque a Defesa Civil bloqueou as estradas próximas à barragem problemática, o que inclui o pequeno trecho da ponte da comunidade de Socorro, que dá acesso ao empreendimento da MR Mineração. A expectativa da empresa é de que a produção seja retomada em dezembro deste ano, depois que a Vale liberar o muro que constrói nas imediações de sua estrutura de contensão de rejeitos.

FONTE: DE FATO ONLINE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *