Sheila Magalhães é geóloga e trabalha na mineração desde 2006

Meu nome é Sheila Magalhães, tenho 41 anos, sou geóloga, mãe de 2 filhos e trabalho na área de mineração desde 2006.

Quando recebi o convite para escrever sobre a minha história na mineração, passou um filme em minha mente e senti o quanto é importante mostrar essa relação da mulher na mineração, uma vez que nós somos alvo de tantos dilemas “atuais”. Vejo realmente a importância dessa visão da revista Minérios & Minerales não só como uma homenagem, mas como reconhecimento do crescimento da área para nós, mulheres.

Quando me formei em geologia pela Universidade Federal da Bahia em 2005, não tinha um direcionamento formado na minha cabeça de qual área seguiria dali em diante: tinha apenas aquela ânsia de trabalhar, como qualquer recém-formado. Foi quando surgiu a oportunidade de uma entrevista de emprego aqui mesmo, na Bahia, para trabalhar no setor de exploração (pesquisa mineral) em uma mina de ouro.

Nossa! Meu primeiro emprego! Desde então, tudo me fascina na mineração. Naquela época, no galpão de sondagem onde eu trabalhava, não havia banheiro feminino! Começava, então, minha realidade feminina no mundo “masculino”. 1 ano depois, foi construído um banheiro, que carinhosamente recebeu a placa “Banheiro Sheila”. Mas foi por pouco tempo, pois a comunidade feminina começou a aumentar. Chegaram técnicas, outras geólogas e até motoristas de caminhões!

Mas meu desafio maior foi em 2009, quando fui mãe pela primeira vez. Lá estava eu, de macacão e botas com um barrigão. Sem contar que, meu marido e meus pais (meus portos seguros), estavam há 300 km de mim e, quem é mãe, sabe o quanto a rotina de um bebê toma o tempo de uma mulher.

A Yamana Gold, empresa que estou até hoje, sempre me deu total apoio nos momentos que necessitei, e isso me fez ser mais forte como profissional. Fui transferida para outra mina de ouro, mais próxima de Salvador – BA (onde residiam meus pais e marido) e então, em 2012, tive meu segundo filho. Mais uma vez, lá estava eu, me dividindo entre os recursos minerais e os seios cheios de leite.

Em 2015, voltei para Jacobina, mas agora com todos os integrantes da família e como geóloga de mina.

Meus pequenos, hoje com 9 e 6 anos, já não são mais bebês e se orgulham de dizer que a mãe deles pesquisa ouro e trabalha numa mina subterrânea.

Os desafios ainda são muitos, mas a superação ao longo do tempo vivido, me dá vontade de ir além.

14 comentários em “Sheila Magalhães é geóloga e trabalha na mineração desde 2006

  • 15 de março de 2019 em 13:35
    Permalink

    Como o tempo passa rápido.. 14 anos de formados. Muito sucesso pra você, Sheilinha!

    Resposta
    • 16 de março de 2019 em 11:24
      Permalink

      Sheilinha, é sempre bom rever colegas de estudo e profissionais. Saber que estão felizes … Nos deixa mais feliz ainda.
      Como sempre, você está lindaaa!
      Muitos tabus ainda precisam ser quebrados na mineração, a exemplo: Mulher x Homem,
      Racismo, gênero, Nordestinos x Sulistas e Brasileiros x Estrangeiros.

      Resposta
  • 15 de março de 2019 em 14:39
    Permalink

    Parabéns pelo trabalho e superação nos desafios encontrados!

    Resposta
    • 16 de março de 2019 em 15:20
      Permalink

      Sheila, Parabéns por essa história linda de força, superação e sucesso ??????

      Resposta
  • 15 de março de 2019 em 15:17
    Permalink

    São muitos desafios nessa área e sei que hoje muitos caminhos já estão mais fáceis por haver profissionais com você. Orgulho dessa geologa que tive prazer de trabalhar e aprender muito!!! Você brilha! 😉

    Resposta
  • 15 de março de 2019 em 16:10
    Permalink

    Minha irmã, parabéns!
    O mais importante de tudo isso é destacar sua capacidade, inteligência e competência, que é o que faz você trilhar esse caminho com tanto sucesso, independentemente do gênero.
    Logicamente, as responsabilidades e desafios como mãe e mulher valorizam mais ainda suas conquistas.
    Posso apostar que a Yamana (muito corretamente) não te apoiou por simplesmente ser mulher, mas sim porque reconhece seu trabalho.

    Resposta
    • 16 de março de 2019 em 16:16
      Permalink

      Tenho muito orgulho de trabalhar com Sheila! Além de um ser humano maravilhoso, ela é uma excelente profissional. Encara o trabalho e a vida com muita determinação. Parabéns, Sheila!!!

      Resposta
  • 15 de março de 2019 em 19:17
    Permalink

    Ainda me lembro de nossas entrevistas de estágio. Eu, sortudo por estar ao seu lado, e vc, a gigante que despertava a cada momento que duvidavam de sua capacidade, por isso nada vinha tão fácil assim, mas servia como motor para te fazer conquistar qualquer coisa.
    Grande abraço do seu sempre amigo.

    Resposta
  • 15 de março de 2019 em 21:59
    Permalink

    Uauu!! Fui lendo e lembrando de varias coisas! Lembro como hoje você gravida de macacão, rs, achava linda! Parabéns Sheila, pela mãe, mulher e profissional que é!! Que você conquiste muitas vitórias em sua vida profissional, como geóloga, pela determinação, força e pela pessoa que é!!

    Resposta
  • 15 de março de 2019 em 22:17
    Permalink

    Competência ,profissionalismo e responsabilidade. Parabéns Sheila.

    Resposta
  • 16 de março de 2019 em 16:53
    Permalink

    Uma profissional que vale por mil! Exemplo para todas as mulheres da mineração!

    Resposta
  • 16 de março de 2019 em 16:53
    Permalink

    Parabéns Sheila, muiito sucesso. ?????

    Resposta
  • 17 de março de 2019 em 22:21
    Permalink

    Parabéns, minha amiga! Um orgulho ter vivido uma parte dessa história ao teu lado! Que venham mais e mais vitórias para você e que continue representando as mulheres em campos de trabalho tão machistas e cheios de obstáculos à equidade de gênero! Sucesso sempre para ti

    Resposta
  • 20 de maio de 2019 em 18:49
    Permalink

    Sheila, conheço a região de Jacobina, já trabalhei em um complexo eólico em Umburanas. Sou geólogo de engenharia, mas ultimamente tenho tido interesse em mudar para o ramo da mineração, já me candidatei a algumas vagas, mas sem sucesso. Você acha que tem alguma chance de eu conseguir fazer essa migração? É comum acontecer isso? As chances são baixas ou minha experiência que não está sendo muito boa mesmo?
    Se tiver algumas dicas favor me comunicar. Desde já agradeço e parabéns pela sua história.
    Saudações geológicas.
    Leonardo

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *