Setor produtivo vai pedir juros mais baixo para enfrentar crise

SÃO PAULO – Em reunião a portas fechadas os principais representantes do setor industrial brasileiro – responsável por cerca de 80% do PIB industrial do país, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – chegaram à conclusão que precisam de apoio do governo para enfrentar os próximos meses, quando o setor produtivo sentirá mais fortemente os impactos do aprofundamento da crise financeira. Segundo o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Armando Monteiro Neto, o crescimento de 2008 já está assegurado, mesmo com o arrefecimento da economia no último trimestre do ano. “No conjunto da extração mineral, transformação e construção civil, o crescimento em 2008 deve superar 5%”, disse o executivo. Para 2009, o crescimento previsto pela confederação ficará em torno de 3% e 3,5%.

Segundo ele, os segmentos mais sensíveis ao crédito e ao mercado externo foram os mais afetados nos primeiros meses de crise. “Quase 90% das empresas já sentiram reflexos da crise. Vínhamos de um crescimento vigoroso e acreditamos que a desaceleração acontecerá de uma forma suave e não ocorrerá uniformemente entre os setores industriais”, disse Monteiro Neto.

A siderúrgica Gerdau, que já sentiu queda da demanda por seus produtos, principalmente devido às paradas na indústria automobilística, ainda está estudando outros ajustes em seu plano de investimentos. De acordo com o presidente do Conselho de Administração da companhia, Jorge Gerdau Johannpeter, a intenção da empresa é manter os aportes. “Agora temos que analisar o mercado”, afirmou Gerdau. De acordo com o executivo, a companhia deverá postergar o início dos projetos que teriam início nos próximos meses.

Ele lembrou, ainda, que “investimentos são realizados para atender a demanda”.

Segundo o empresário, a indústria terá que se adaptar à nova demanda, que ainda é desconhecida pelo setor produtivo. “Temos que aguardar como ficará o quadro depois dos ajustes”, afirmou. Na última semana, a siderúrgica anunciou a diminuição da produção. No dia 15 de dezembro, um dos altos-fornos da Gerdau Açominas, em Minas Gerais, passará por um período de manutenção de 90 dias. A produção de ferro gusa da unidade será diminuída em 720 mil toneladas, cerca de 16% de sua capacidade anual. “O que define o negócio é a demanda”, disse Gerdau, que também participou do Fórum Nacional da Indústria.

Possível ajuste no preço do aço para o próximo ano também não foi previsto pelo empresário. Segundo ele, os preços dos principais insumos da cadeia – carvão, minério e energia – ainda não sofreram alteração.

O setor de mineração, também afetado com o arrefecimento da demanda internacional, aguarda um período de três a seis meses para poder avaliar o novo cenário para o setor. Segundo o presidente do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), Paulo Camillo Penna, o segmento de extração mineral espera, ainda, os efeitos dos pacotes econômicos realizados na China.

“Já vemos que os investimentos das empresas estão sendo atrasados. As empresas levantaram os recursos para os investimentos que já estavam assegurados até o início da crise”, afirmou Camillo Penna. O Ibram anunciou no início do segundo semestre a previsão de US$ 57 bilhões em aportes do setor até 2012. “É inegável que a demanda caiu”, disse. Ao contrário de outros setores, que já sentiram o retorno de clientes tradicionais, após o consumo dos estoques, a mineração brasileira ainda não sentiu o início desse movimento.

Medidas
No evento de ontem, a discussão girou principalmente em torno da defesa por juros mais baixos, aumento do prazo para recolhimento de tributos, redução do imposto sobre operações de crédito (IOF), novas linhas de financiamento para capital de giro e redução do spread bancário. “Todos os segmentos reconhecem que estão vivendo um momento em que se deve rever a política macro econômica”, afirmou Armando Monteiro Neto.

Segundo Monteiro Neto, a política econômica era baseada em câmbio valorizado e juro alto, o que não é mais condizente com o atual momento econômico. “Aquela política que até pouco tempo se apoiou, se esgotou. O câmbio já desvalorizou”, disse.

“A indústria fará de tudo para que o reflexo da crise seja o menor possível. Estamos dispostos a manter o nível da atividade se tivermos uma política para isso”, disse. Além da defesa pela diminuição das taxas de juros, que segundo os industriais inibe investimentos, os empresários solicitam a aprovação da reforma tributária.

Jorge Gerdau afirmou que o governo brasileiro tem acertado nas suas iniciativas de combate aos efeitos da crise, mas defendeu taxas de juros mais baixas.


Fonte: Padrão

Deixe uma resposta