Categorias

11 de maio de 2021

Dedicada à Redução de Custos na Mina e Planta

Quellaveco terá planta de recuperação de partículas grossas

2 min read

A Anglo American aprovou a construção de uma planta de recuperação de partículas grossas (RCP) em seu projeto de cobre Quellaveco,  em desenvolvimento no Peru.  A informação  veio junto com os resultados financeiros da empresa em 2020, que indicaram um EBITDA de US$ 9,8 bilhões e lucro atribuível aos acionistas de US$ 2,1 bilhões no ano.

A RCP, afirma  Anglo American, é uma das iniciativas tecnológicas inovadoras que tem potencial para aumentar o rendimento e a produtividade, ao mesmo tempo em que reduz a pegada ambiental, através da rejeição de ganga grosseira (material de resíduo quase sem valor), empilhamento seco de resíduos de areia, minimizando a produção de rejeitos tradicionais e reduzindo o consumo geral de água.

A aprovação da planta de RCP em Quellaveco segue ao sucesso da instalação para teste em larga escala na mina El Soldado da empresa no Chile – que está aumentando a capacidade total até meados de 2021 – e a decisão de construir um sistema industrial no concentrador de PGM no Norte de Mogalakwena, na África do Sul.

A planta de El Soldado usou a tecnologia HydroFloat™ CPR da Divisão de Flotação da Eriez. Aqui, uma única célula HydroFloat de 5 m de diâmetro, a maior do mundo, trata 100% da produção de moinhos.  Anglo informa que “esta tecnologia inovadora inicialmente permitirá o retirada de partículas grosseiras dos rejeitos de flotação,  para melhorar a recuperação  em cerca de 3% em média ao longo da vida útil da mina. Essa planta também permitirá uma futura expansão , o que trará redução no consumo de energia e água.”

O capex do projeto de RCP é de cerca de US$ 130 milhões, com comissionamento da nova planta previsto para 2022. A DRA Global realizou anteriormente um estudo de viabilidade para  RCP em Quellaveco.

As principais atividades em 2021 na mina incluem o início da pré-stripping, que verá o uso pioneiro da tecnologia de transporte automatizado no Peru; construção do britador primário e túnel transportador de minério para a usina; conclusão da tubulação de 95 km de água doce  até Quellaveco; conclusão das linhas de moinhos e barragem de rejeitos.

A mina, de propriedade de 60% da Anglo e 40% da Mitsubishi Corp, tem produção projetada de 300.000 t/ano de concentrados de cobre nos primeiros 10 anos.

Deixe uma resposta