Vale atualiza sobre ações preventivas em relação ao coronavírus em MG

A Vale informa que vem tomando todas as medidas necessárias para apoiar a prevenção do coronavírus (Covid-19) em seus locais de trabalho e nas localidades onde está presente. A empresa tem focado na redução do efetivo administrativo e operacional, de forma a manter apenas os serviços essenciais.

Além do trabalho remoto adotado desde o último dia 16 de março para empregados próprios e terceirizados cujas funções são elegíveis a home office, a empresa colocou em prática uma série de ações para evitar aglomeração, como redução da quantidade de pessoas nas portarias, nos ônibus e nos restaurantes.

Nas portarias, há restrição de acesso, mantendo a entrada apenas dos fornecedores considerados essenciais (alimentação, água, transportes, entre outros). Todos os empregados passam por triagem da equipe de saúde antes de entrarem nas unidades. Se for identificado algum caso suspeito, a pessoa recebe orientação médica e é encaminhada para casa, para não entrar em contato com os demais trabalhadores.

A Vale também aumentou a frota de ônibus para reduzir a lotação e viabilizar o espaçamento adequado entre as pessoas. Os veículos são mantidos com a circulação de ar aberta e recebem reforço na limpeza diária com desinfetantes e maior fiscalização sobre a higienização.

Nos restaurantes, a Vale adotou medidas para aumentar o distanciamento social, com marcação de mesas para orientar a ocupação, além de reforço de limpeza de mesas e distribuição de marmitas e talheres descartáveis, de forma a evitar possíveis focos de contaminação nos utensílios.

Com a redução do efetivo administrativo e operacional, diversos ambientes foram fechados, reduzindo aglomeração e facilitando o deslocamento de equipes de limpeza. Protocolos de limpeza e desinfecção seguem recomendações técnicas.

“Estamos empenhados em assegurar condições de trabalho adequadas para todos, sobretudo para o contingente mínimo de trabalhadores que continua desempenhando atividades essenciais nas nossas unidades operacionais, como monitoramento e manutenção das nossas barragens, gestão de saúde, segurança e emergência. Dividimos as equipes em grupos menores para se revezarem em turnos e nos ambientes, evitando, assim, o contato com outros empregados. Nosso cuidado com os empregados passa também pela comunicação constante e orientações de higiene e prevenção da doença para reduzir os riscos de contaminação”, destaca Marcelo Barros, diretor de Operações da Vale.

Os ativos socioculturais, como Memorial Minas Gerais Vale e Trem Turístico que liga as cidades históricas de Ouro Preto e Mariana, estão com as atividades suspensas desde o último dia 16. A circulação do Trem de Passageiros da Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM) foi suspensa em 24/03.

“Sabemos da nossa responsabilidade social e econômica para o Estado e municípios onde atuamos e todas as medidas que estamos adotando seguem as recomendações das autoridades brasileiras e internacionais, optando sempre pelo protocolo mais restritivo. Reforçamos nosso compromisso para combater a disseminação do novo coronavírus e vamos trabalhar incansavelmente para apoiar a população neste momento crítico”, afirma Marcelo Barros, diretor de Operações da Vale.


Apoio aos fornecedores


A Vale também adotou uma série de medidas de suporte aos seus fornecedores durante a crise provocada pela pandemia do coronavírus. A estimativa é que a empresa injete cerca de R$ 160 milhões na economia nos próximos dias somente com a antecipação de pagamentos para pequenas e médias empresas. Essa medida deverá beneficiar mais de mil fornecedores de todo o país.

Nos próximos 30 dias, a empresa reduzirá em até 85% o prazo de pagamento de serviços e materiais que ainda serão faturados para cerca de 3 mil fornecedores de pequeno e médio portes.

Também suportará financeiramente as empresas e trabalhadores da construção civil de projetos que está suspendendo. A suspensão tem dois objetivos: reduzir a circulação de pessoas nas instalações da empresa, – aumentando a segurança dos próprios trabalhadores terceirizados e dos empregados que seguem atuando nas funções essenciais da operação, e concentrar recursos em atividades essenciais para o País neste momento. Não haverá impacto sobre obras relacionadas à segurança de barragens.

fonte: Assessoria de imprensa da vale

Deixe uma resposta