Viveiro florestal de Presidente Figueiredo

Viveiro florestal, instalado na mina Pitinga da Mineração Taboca, promove desenvolvimento ambiental no município de Presidente Figueiredo

Dos autores Alexsandro Antônio Cota e Luan Samarone Silva Rosado, o trabalho “Viveiro Florestal de Presidente Figueiredo” foi laureado pelo 170 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasilera da revista Minérios & Minerales. O projeto foi instalado na Mina Pitinga em Presidente Figueiredo (AM) e é mantido pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) em parceria com a Mineração Taboca.

O Viveiro Florestal de Presidente Figueiredo é peça fundamental para o desenvolvimento ambiental do município, uma vez que atua com a educação ambiental, arborização urbana, reflorestamento de áreas degradadas nas redondezas e apoio ao pequeno produtor rural. Já foram produzidas mais de 422 mil mudas que beneficiaram toda a população do município, seja pela simples sombra ou embelezamento proporcionado pelas árvores ou pelos produtos que podem ser extraídos delas.

A ocupação humana tem como um dos principais aspectos a necessidade de retirada da floresta, o que pode trazer impactos significativos como perda da biodiversidade, alteração paisagem e mudanças climáticas. Um dos métodos mais utilizados e que tem apresentado resultados satisfatórios para minimização desses impactos é o reflorestamento através do plantio de mudas de espécies nativas da região. Porém, a disponibilidade de mudas de qualidade e em quantidade suficientes para atender a demanda de reflorestamentos de grandes áreas é muito baixa.

Os principais objetivos do viveiro são: a produção de mudas espécies nativas da região; fornecimento gratuito das mudas produzidas para qualquer interessado no município, principalmente comunitários; contribuir para a oferta de mudas de qualidade para a recuperação de áreas degradadas no município.

Atualmente o viveiro conta com quatro colaboradores e um técnico agrícola responsável pelas atividades do viveiro. Esses colaboradores são contratados e desenvolvem as atividades básicas de manutenção e limpeza do viveiro e produção de mudas.

Toda a adubação dos canteiros e dos recipientes de mudas no VFPF são orgânicos e produzidos no próprio viveiro através da técnica da compostagem. Essa técnica consiste na mistura de resíduos vegetais à terra preta, serragem de madeira e cascas de frutas. A mistura é umedecida e homogeneizada pelo período de 6 a 7 meses, até atingir o estado ótimo para ser utilizada. Em raros casos, quando o material utilizado está com muita deficiência de nutrientes, é adicionado algum adubo industrializado.

Desde a sua instalação até o final de 2014 o VFPF já produziu mais de 422 mil mudas, sendo 70.772 só em 2014. Toda essa produção é voltada para a distribuição e plantio nas comunidades vizinhas ao viveiro, principalmente com o intuito de recuperar áreas degradadas. As espécies produzidas são prioritariamente nativas da Amazônia e da região de Presidente Figueiredo. As principais espécies produzidas são: Açaí (Euterpe oleraceae), cupuaçu (Theobroma grandiflorum), andiroba (Carapa guianenses), cumaru (Dipteryx odorata), tucumã (Astrocaryum aculeatum) entre várias outras.

Em 2014, mais de 180 produtores da região de Presidente Figueiredo foram beneficiados com mudas do viveiro. Essas mudas geralmente são plantadas em áreas alteradas, pastos abandonados ou nos próprios quintais dos produtores. A partir disso, essas mudas se transformam em fonte de renda e segurança alimentar para muitas famílias.

Além da mera distribuição de mudas, o VFPF participa ativamente do processo de educação ambiental do município através de eventos como o plantio de mudas nas escolas municipais com participação dos alunos.

No meio da maior floresta tropical do planeta é necessário sim plantar árvores. Para isso, a instalação de viveiros florestais é essencial frente ao cenário onde é escassa a oferta de mudas de qualidade de espécies nativas.

O viveiro tem contribuído significativamente para que as áreas alteradas sejam reflorestas no município. Inúmeras famílias da região são beneficiadas com as mudas produzidas pelo viveiro, que por sua vez se tornam fonte de renda e segurança alimentar.

Além disso, o viveiro tem contribuído significativamente para a educação ambiental no município, ornamentação das vias, praças públicas e das cachoeiras, sendo, portanto, elemento indispensável para o desenvolvimento ambiental do município.

Conheça os autores do projeto

Alexsandro Antonio Cota – Administrador especialista em Planejamento e Gestão Ambiental formado pela Fundação Comunitária de Ensino Superior de Itabira – MG e possui MBA em Gestão Executiva de Projetos pela Fundação Getúlio Vargas. Com 18 anos de experiência em mineração, atuando no Brasil e exterior, atualmente exerce o cargo de Gerente de Meio Ambiente na Mineração Taboca, Mina Pitinga no município de Presidente Figueiredo – AM.

Luan Samarone Silva Rosado – Engenheiro Florestal formado pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ciências de Florestas Tropicais (PPG-CFT) no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA). Atua diretamente com recuperação de áreas degradadas por mineração. Atualmente exerce o cargo de Analista Ambiental Jr. na Mineração Taboca, Mina Pitinga no município de Presidente Figueiredo – AM.

Leia a íntegra do trabalho “Viveiro Florestal de Presidente Figueiredo”.

Fonte: Revista Minérios & Minerales

Deixe uma resposta