Indianara Mikaele da Costa, 27 anos, Técnico em Laboratório Metalúrgico na CMOC

Poderia dizer que sou a típica mulher em busca de sonhos e realizações, mas não. Sinto que sou mais do que possa definir, e graças às oportunidades que tive na indústria da mineração. Minhas experiências profissionais consistentes são dentro do laboratório metalúrgico da CMOC.

Fiz curso Técnico em Mineração com o objetivo de atuar na área. Desde os tempos de ensino médio, já vislumbrava trabalhar no setor porque todas as pessoas que atuam na companhia têm uma qualidade de vida que é notavelmente boa. Nada nunca foi fácil na minha vida, mas sempre contornei as situações com jogo de cintura e determinação.

Meu desafio já começa em casa. Minha mãe é cadeirante e conta com ajuda de todos para suas atividades diárias. Lá em casa, somos muito unidos quanto a isso. E é um desafio porque é um cenário que não temos como mudar, mas temos como melhorar. Por isso eu tinha como meta trabalhar na CMOC para prover minha família de mais recursos.

Tive persistência. Foram várias tentativas para conseguir entrar na empresa. Até que, em 2018, consegui uma oportunidade numa empresa terceirizada, que atua na companhia. Eu via ali uma chance de ter uma vivência bem de perto. Fui designada para atuar no Laboratório Metalúrgico, mas como ferista. Aprendi muito! Tudo era novidade e fui bem recebida pelos colegas da área.

Outro desafio foi saber esperar pela próxima oportunidade. Até que ela não surgisse, eu dei o melhor de mim. Em 2019, tive a oportunidade de atuar na mesma área, mas como empregada direta. Não me esqueço, jamais, da data: 6 de maio. Foi como se fosse meu primeiro dia de novo. Um recomeço. Eu estava tão feliz e tenho esta lembrança com muito carinho. Desde então minha vida mudou: acesso a benefícios, salário melhor e me sentia mais valorizada.

Eu sou uma das quatro mulheres que trabalham no laboratório, ao todo somos 30 pessoas. Mas, como trabalhamos em turno, eu praticamente sou a única mulher durante meu horário de trabalho. E isso não me incomoda, de maneira alguma. Era um projeto de vida estar onde estou. Trabalho feliz, ajudo mais em casa e fiz viagens que desejava há anos. Continuo a atuar como Técnica de Laboratório, com muita dedicação, pois meu planejamento pessoal é conquistar a tão sonhada casa própria e, profissionalmente, quero continuar a crescer.

Quem deseja atuar na indústria da mineração tem que gostar de aprender e trabalhar em equipe. Posso dizer que, mesmo num ambiente em que os homens são mais presentes, eu sou respeitada, sou ouvida, orientada e que todos temos os valores da empresa como base para irmos além, para que possamos explorar nossos potenciais.

A CMOC sempre foi referência de empresa para se trabalhar. E tenho muito orgulho em dizer que sou a primeira da família a atuar na indústria da mineração.  É neste setor, na empresa que estou, que me vejo daqui alguns anos. Uma mulher realizada, bem sucedida e independente. Como vou conseguir? Sou curiosa, gosto de aprender e estou sempre aberta a novos conhecimentos – tanto que estou cursando Gestão de Produção Industrial. Com muito trabalho e dedicação, desejo me manter nesta jornada.

Deixe uma resposta