Categorias

21 de outubro de 2021

Como jovens engenheiras se destacam na mina de ouro Geita

A maioria das jovens graduadas da Tanzânia relutam em entrar em profissões dominadas por homens, especialmente nos setores de mineração, engenharia ou geologia.

No curso, os setores ainda estão supostamente vendo apenas poucas engenheiras se aventurando ousadamente na Tanzânia em comparação com os homens.

Por exemplo, o Engineers Registration Board (ERB) anunciou em 2018 que a Tanzânia enfrenta uma escassez de engenheiras, o que está impedindo o desenvolvimento do país.

Em 2016, a Thomson Reuters Foundation relatou que, embora as primeiras engenheiras na Tanzânia tenham se formado em 1976, de acordo com estatísticas oficiais, apenas quatro por cento de todos os engenheiros registrados na Tanzânia eram mulheres em 2009.

Mas, sob o Programa de Aprendizagem de Engenheiros Estruturados (SEAP), que visa equipá-los com conhecimento e experiência para se tornarem engenheiros profissionais em um campo dominado pela maioria, há pelo menos um futuro brilhante.

O programa, administrado pelo Engineers Registration Board, órgão profissional da Tanzânia com apoio financeiro do governo norueguês, viu o número de engenheiras na Tanzânia mais do que dobrar desde 2010.

O aumento demonstrável no número de jovens engenheiras levou a uma rápida mudança de paradigma nas profissões científicas dominadas por homens, já que a maioria das graduadas agora está interessada em carreiras científicas, apesar de estarem desencorajadas e decepcionadas com os homens que ainda acreditam que as mulheres não podem enfrentar desafios empregos, especialmente no setor de mineração.

Recentemente, tivemos uma conversa face a face com o Engenheiro Jesca Laswai, um Engenheiro de Mineração, que trabalha para a Geita Gold Mine Limited (GGML) como Empreiteiro de Mineração Subterrânea, African Underground Mining Services (AUMS). Durante a entrevista, percebeu-se que paixão, comprometimento e ambição são fatores únicos, que levam algumas jovens recém-formadas a se destacarem na carreira de mineração.

“Não creio que exista uma profissão específica para meninos ou homens. Se fosse assim, não teríamos visto tantas jovens talentosas batendo recordes mundiais”, explica a engenheira Jesca.

Graduado em engenharia de mineração pela Universidade de Dar es Salaam, Jesca tinha o desejo de explorar a indústria de mineração.

“Não foi fácil porque logo depois que decidi seguir a carreira de mineração, muitas pessoas próximas a mim me aconselharam contra isso, dizendo que eu estava perdendo meu tempo e colocando em risco o futuro da minha família”, conta Jesca.

Elaborando, ela diz que as coisas mudaram depois que escolheu esta carreira, e agora ela está muito feliz fazendo o que faz. “Quero encorajar outras jovens e graduadas de outras faculdades a acreditarem que tudo é possível neste planeta. Elas deveriam ser agressivas e assumir qualquer profissão, incluindo a mineração. Esta carreira de mineração garante meu pão de cada dia aqui em Geita através do planejamento diário de atividades de mineração em Nyankanga. “Sei que poucas meninas concluem o ensino médio na Tanzânia devido à pobreza generalizada e à percepção entre os pais de que as meninas devem realizar apenas tarefas domésticas. “Mas, se elas estão na escola, as meninas ainda recebem pouco incentivo para estudar matemática e ciências, muitas vezes consideradas domínio dos alunos do sexo masculino”, explica Jesca.

Nos próximos dez anos, Jesca se vê como uma Engenheira de Mineração de sucesso e ainda otimista de que atingirá esse nível, não apenas porque está sendo fortalecida, mas simplesmente porque é capaz de atuar no nível exigido.

A Tanzânia é rica em recursos naturais, como ouro, diamantes, níquel, urânio e gás natural. É também o lar de uma das pedras preciosas mais raras do mundo, a Tanzanita, que só é encontrada na região de Manyara.

Apesar desses recursos únicos e economia em expansão, a Tanzânia ocupa a 152ª posição entre 182 países no Índice de Desenvolvimento Humano, a 134ª posição entre 185 países em ambiente de negócios favorável e tem uma renda per capita de US $ 652.

Aproximadamente 70 por cento da população vive em áreas rurais onde o acesso às instalações é limitado ou totalmente ausente.

Como resultado, o país continua a enfrentar muitos desafios socioeconômicos que são ainda agravados por altas taxas de analfabetismo e evasão, levando a um aumento do desemprego.

A situação para mulheres jovens e meninas também é muito sombria.

Obtido para comentários adicionais, o presidente do ERB, engenheiro Ninatubu Lema, disse que mais de 2.000 engenheiros estão se formando em universidades do país todos os anos, mas apenas 800 deles estão registrados no ERB, com mais de 1.200 deles desaparecendo no mundo desconhecido e criando um espaço de presença de ‘engenheiros aéreos’ no país.

FONTE: Dailynews Reporter

Please follow and like us:

Deixe um comentário

RSS
Follow by Email
YouTube
YouTube
LinkedIn
LinkedIn
Share
Instagram
WhatsApp