Categorias

24 de novembro de 2021

Schneider Electric amplia automação industrial com soluções de IHM

Empresa tem fortalecido seu portfólio para ajudar companhias a processar seus dados e fazer com que os ‘insights’ cheguem aos mais diversos níveis da produção

São Paulo, novembro de 2021 – Mesmo com diversas tecnologias de ponta existentes no mercado, as empresas ainda precisam de apoio com planos para garantir que os dados coletados forneçam os insights certos, em vez de simplesmente obter e armazenar informações que não são aproveitadas. De olho nesse mercado, a Schneider Electric, líder global em transformação digital e gerenciamento e automação de energia, tem fortalecido seu portfólio com soluções que ajudam a processar a grande quantidade de dados e a fazer com que os mesmos cheguem aos mais diversos níveis das companhias, incluindo o chão de fábrica, com acesso aos equipamentos de produção.

A solução Workforce Empowerment é um exemplo disso. A plataforma permite que os trabalhadores usem a tecnologia para acessar as informações que precisam para tomar as decisões que ajudem a fábrica a funcionar com mais segurança e lucratividade. Os objetivos são possíveis, pois a tecnologia permite:

  1. Conectar funcionários de todos os departamentos aos dados disponíveis e combiná-los com o conhecimento coletado da equipe (força de trabalho conectada);
  2. Apresentar insights aos funcionários quando e onde eles precisarem, de maneira direta e fácil de entender (suporte à decisão);
  3. Compartilhar as melhores práticas em todas as fábricas para que possam ter o maior impacto (colaboração global).

Trata-se não apenas de reunir todos os dados e transformá-los em insights, mas também de apresentar essas informações aos trabalhadores na forma com que eles possam usar facilmente quando e onde precisarem. Nesse sentido, a IHM desempenha um papel crucial aqui.

Interface Homem Máquina (IHM) e sua importância na automação industrial

interface Homem Máquina (ou IHM) começou como uma forma de os operadores interagirem e controlarem máquinas ou processos. As primeiras IHMs foram projetadas simplesmente para substituir botões e luzes indicadoras com fio. Não havia representação gráfica do processo, muito menos orientação, insights operacionais e aplicações em realidade aumentada.

Essas primeiras IHMs estavam confinadas a salas de controle ou painéis de controle do chão de fábrica. Não havia portabilidade ou mobilidade e a equipe precisava estar fisicamente à frente da IHM para ler as informações.

Evolução da IHM

Hoje, as IHMs são mais do que substituições programadas para botões e luzes indicadoras. De acordo com Carlos Urbano, diretor de Industrial Automation da Schneider, elas são usadas para traduzir dados complexos em informações úteis. As telas visuais fáceis de entender dão significado e contexto à informações e insights quase em tempo real sobre como os processos estão funcionando bem. Além disso, segundo ele, os recursos avançados das IHMs permitem que gerentes e supervisores façam muito mais do que apenas controlar os processos:

  • Elas oferecem novas oportunidades para melhorar a qualidade do produto e tornar os sistemas mais eficientes.
  • As tecnologias móveis fornecem aos funcionários acesso a orientação ou conhecimento remoto, onde quer que estejam trabalhando (dentro ou mesmo fora das instalações).
  • Elas podem funcionar como edge computers, reunindo e processando dados em tempo real para oferecer suporte a abordagens de última geração, como manutenção preditiva.
  • Elas têm recursos de processamento e rede necessários para fornecer novos níveis de informações aos funcionários em qualquer lugar da fábrica.

As IHMs ajudam, ainda, a identificar problemas com rapidez e facilidade e apoiar as equipes na tomada de decisões importantes, tornando os processos mais eficientes e melhorando a qualidade dos produtos e serviços, conectando pessoas, aplicações e máquinas em diferentes locais. Elas também são abertas para que os usuários possam escolher o melhor hardware, fontes de dados, redes e software para suas necessidades.

Harmony P6 da Schneider Electric

A família Harmony P6, parte da camada edge do EcoStruxure, ajuda as empresas industriais a melhorar a produtividade e a eficiência operacional. Oferece suporte às pessoas com desempenho, rede e recursos de exibição necessários para obter o máximo da transformação digital.

A solução é projetada para fornecer à equipe da fábrica a orientação de que precisa para fazer o melhor trabalho possível. “É um componente-chave de qualquer rede de dados de planta transparente de cibersegurança para operações e manutenção mais eficientes de seus ativos de capital”, afirma Urbano.

Quando combinado com o EcoStruxure Automation Expert, é fácil para os usuários implantarem os recursos de computação de que precisam para as aplicações de cálculo mais intensivo. Isso inclui não apenas informações de desempenho em tempo real apresentadas para sistemas industriais, mas também para a equipe de orientação melhorar o desempenho e resolver problemas antes que ocorra um tempo de inatividade.

“Percorremos um longo caminho desde aquelas primeiras IHMs; os iPCs modulares e modernos de hoje estão repletos de processamento, exibição e poder de computação, tornando-os a pedra angular de qualquer estratégia de transformação digital industrial”, diz o diretor de Industrial Automation.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *