Categorias

23 de janeiro de 2021

Dedicada à Redução de Custos na Mina e Planta

Minas-Rio obtém melhor resultado de frenagem na frota de caminhões Komatsu

2 min read
O Sistema Minas-Rio, operação da Unidade de Negócio Minério de Ferro Brasil da Anglo American, apresentou o melhor resultado com relação

O Sistema Minas-Rio, operação da Unidade de Negócio Minério de Ferro Brasil da Anglo American, apresentou o melhor resultado com relação ao uso do freio de serviço dos caminhões Komatsu modelo 830E-1AC no mundo. Enquanto a média de tempo para a troca da pastilha de freio e disco é de até 2 mil horas rodadas, os caminhões da operação da Anglo American já ultrapassam 6 mil horas, um valor três vezes maior que o usual. Esse mecanismo é utilizado quando existe a necessidade de realizar a parada completa do caminhão.

Os principais motivos que levaram a empresa a alcançar este resultado foram treinamentos especializados para operadores, investimentos em campanhas de otimização do uso do componente e monitoramento da equipe de operação. Atualmente, 21 caminhões desse modelo atuam no Sistema Minas-Rio e cerca de 150 empregados estão aptos a dirigi-los.

Sistema de freios dos caminhões Komatsu 830E-1AC superaram 6 mil horas de uso, melhor resultado para
o modelo no mundo

“Estamos bastante satisfeitos com a atuação da equipe de operação do Sistema Minas-Rio. Esse resultado reforça a importância do investimento em treinamento e indica que estamos no caminho certo. Vamos continuar trabalhando para manter a excelência na operação dos caminhões fora de estrada ao longo da operação do empreendimento”, afirma o diretor de Operação, Rodrigo Vilela.

O uso adequado do freio de serviço significa redução de custos e manutenção, maior segurança na operação, economia de combustível e prolongamento da vida útil do caminhão. O modelo 830E-1AC da Komatsu também possui um dispositivo que registra o modo como ele está sendo utilizado, o que permite a equipe de manutenção verificar e corrigir caso o componente seja manejado de forma inadequada.

Fonte: Revista Minérios & Minerales

Deixe uma resposta