Micron-Ita abrirá minas e fábrica no Ceará

Grupo capixaba planeja diminuir dependência de calcário do Nordestee melhorar a competitividade no fornecimento de insumos ao setor de tubos e conexões

A Micron-Ita, mineradora com sede no Espírito Santo, está investindo R$ 25 milhões para a construção, em Quixeré (CE), de uma nova unidade de processamento de carbonato de cálcio. O objetivo da empresa é atender a indústria de tubos e conexões de PVC, já que a matéria-prima, proveniente da rocha calcária, oferece resistência ao impacto para os produtos feitos com o plástico.

O empreendimento, previsto para entrar em operação no final de 2016 e com capacidade produtiva anual de 50 mil t, envolve também a abertura de duas minas de calcário. A nova capacidade irá se somar com as 230 mil t de carbonato de cálcio produzidas anualmente pelas duas plantas da empresa em Cachoeiro de Itapemirim (ES).

“Atualmente, compramos calcário de pequenas e médias mineradoras do Ceará para beneficiamento em nossas duas plantas no Espírito Santo. No entanto, isso dificulta a logística e eleva os custos de produção”, afirma Lairton Leonardi, diretor-geral da Micron-Ita.

A escolha do município cearense se deve pela alta pureza do carbonato de cálcio (acima dos 95%) encontrado na região, originado pela formação cretácea, que abrange a área da Chapada do Apodi, que faz divisa com o estado do Rio Grande do Norte. No local, a empresa possui cinco direitos de lavra e um depósito total estimado em 200 milhões t de rochas calcárias.

Leonardi espera que a partir de 2016 haja uma retomada dos investimentos no setor de construção civil, impactando num aumento de demanda por tubos e conexões de PVC, assim como fios e cabos. “O País tem um grande potencial de crescimento nas áreas de saneamento básico e tratamento de água, principalmente no Nordeste. Nesse sentido, o mercado de tubos e conexões e suas matérias-primas tem um grande potencial”.

O setor de extrusão de tubos representa em torno de 30% das vendas da empresa. O restante está dividido entre os segmentos de fios e cabos, forros, perfis rígidos e flexíveis.

Carbonato de cálcio é utilizado como reforço na fabricação de tubos e conexões de PVC

“O polímero PVC é um material sustentável e o seu processo de transformação exige um aditivo mineral de alto desempenho para garantir seu rendimento e um custo controlado. Nesse sentido, o carbonato de cálcio é mais do que uma simples carga, é uma matéria prima que influencia o rendimento de seus processos e a qualidade do produto final. O uso de um aditivo mineral inadequado traz um risco muito grande ao processo de conversão, afetando não somente seu rendimento e podendo até interferir nas propriedades ópticas do produto final”, completa o executivo.

Testes mostraram superioridade do insumo quando comparado com outros componentes de reforço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *