Vallourec reaproveita rejeito para gerar novos insumos

A utilização de rejeito de minério de ferro na produção de pré-fabricados na unidade de mineração da Vallourec começou em 2015. Porém, nos últimos tempos, a empresa vem intensificando estudos para ampliar o uso do rejeito da mina Pau Branco, em Brumadinho (MG). Carzino Lopes, gerente de produção e manutenção na planta, explica como a empresa começou a dar outro
destino ao rejeito. Em 2015, a adoção de dois filtros prensa da Matec, de 75 t cada, no desaguamento de rejeito deu início à desativação da barragem.
O ciclo de prensagem do filtro leva de 15 a 20 minutos, com 360 bar de pressão. O material sólido é separado da água e empilhado de forma segura e estável, o que diminui sensivelmente a necessidade da barragem – o material sólido é levado para o mesmo local onde é depositado o estéril.
A água recuperada na barragem que volta para o processo gira em torno de 90% – antes, não era mais de 70% de recirculação de água, conta Carzino. Assim, os custos de monitoramento, instrumentação e alteamento (o mais alto deles) da barragem foram sendo gradativamente eliminados.
O aproveitamento de parte desse rejeito tem sido destinado à produção de pisos intertravados, chegando a 500 m² por mês numa fábrica instalada dentro da planta de Brumadinho. Leandro Bruschi Giorni, um dos líderes desse projeto de aproveitamento do rejeito, conta que a Vallourec estuda ampliar a produção para revestimentos de talude, argamassas e pré-moldados de função estrutural, além de aditivo. Isso cria uma oportunidade de mercado para a empresa na área de insumos para construção civil, lembrando que ela originariamente extrai minérios de ferro para produção de tubos de aço sem costura para vários mercados. Ele ressalta, porém, que o projeto ainda é piloto.
A planta da Vallourec em Brumadinho tem ROM de 6,3 milhões t/ano e 4,3 milhões t/ano de produto final.
Além do abastecimento de minério de ferro para as unidades industriais do grupo Vallourec, a mina também atende empresas dos setores siderúrgico, guseiros e produtores de ferro-liga, além de outras mineradoras com foco em exportação.
A ideia do aproveitamento do rejeito surgiu no segundo semestre de 2015 e os testes tiveram auxílio do Cefet-MG (Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais). Corpos de prova foram feitos seguindo normas da ABNT, além de testes regulares de compressão.
Depois, montou-se na planta um local com equipamentos para produção de pisos intertravados para o aproveitamento do rejeito de minério de ferro – hoje, seis funcionários trabalham na atividade. No mesmo local foi iniciada a produção de meios-fi os e alas de contenção, totalizando um reaproveitamento mensal de cerca de 60t de rejeito.
Os pisos intertravados e meios-fi os podem ser utilizados na pavimentação de vias para tráfego de pedestres e veículos. Já as alas de contenção podem ser aplicadas para sinalização de vias de trânsito, por exemplo, para delimitar as faixas e áreas. Essas peças pré-fabricadas já têm sido usadas na própria área industrial da planta da mineradora.
A meta tem sido reutilizar o máximo possível de rejeitos para a produção dessas peças. Atualmente, são utilizadas cerca de 40 t de rejeito por mês para a produção de aproximadamente 21 mil pisos intertravados. A produção de meios-fi os e alas de contenção tem consumido cerca de 20 t mensais de rejeito.

9 comentários em “Vallourec reaproveita rejeito para gerar novos insumos

  • 28 de janeiro de 2019 em 16:55
    Permalink

    Excelente iniciativa da Vallourec. Infelizmente empresas como a VALE não adota esta mesma tecnologia, assim seriam evitados novas Marinanas e a perda de vidas humanas e devastação dos ecosistemas existentes em nosso pais.

    Resposta
  • 29 de janeiro de 2019 em 08:19
    Permalink

    Parabéns pela iniciativa cheguei a fazer alguns testes utilizando resíduo sem necessidade de desaguar. Cheguei a secar em forno gerando um produto óxido de ferro base pra pintura zarcão. Claro varia conforme o processo. Mas área de estudos interessante e viável.

    Resposta
  • 29 de janeiro de 2019 em 09:03
    Permalink

    “Belíssimo trabalho, empresa que abre novos horizontes busca de alguma forma a melhoria dos processos, assim matérial que seria jogado fora é utilizado para o bem de todos, sendo assim oferece mais oportunidades de trabalho. Parabéns Vallourec pelas atitudes visando o bem da empresa e zelando por vidas…”

    Resposta
  • 29 de janeiro de 2019 em 14:29
    Permalink

    meu esposo trabalhou 11 anos e meu pai tambem 42 anos conheco a manesman ou seja valourec empresa extraordinaria parabens a todos os trabalhadores .

    Resposta
    • 30 de janeiro de 2019 em 05:40
      Permalink

      Bela iniciativa da empresa do reaproveitamento mas só que os gananciosos não liberam como caso CSN teve empresas de São Paulo a msm nao deixou a exploração deste rejeito isto é absurdo contra a integridade do Homem e Natureza Crime que têm sancionarazão pois tá sujeito a vim Catástrofes piores do que está de Bruma dinho só JESUS pra iluminar Nosso País

      Resposta
  • 30 de janeiro de 2019 em 08:41
    Permalink

    Parabéns pele iniciativa
    Gostaria de saber o que é feito com a água que é drenada.

    Resposta
    • 30 de janeiro de 2019 em 11:54
      Permalink

      Olá Mirtes, a água é recirculada no processo

      Resposta
  • 30 de janeiro de 2019 em 22:47
    Permalink

    Parabéns à Vallourec pela vanguarda e responsabilidade com que trata todos os assuntos, e em especial ao ambiental.
    Com uma filosofia que permea todos os níveis hierárquicos, não poupa esforços e recursos para sempre buscar as mais seguras e eficazes soluções.

    Resposta
  • 31 de janeiro de 2019 em 13:33
    Permalink

    Parabéns… Estão vendo! Tem solução, muitas vidas poderiam ter salvas…

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *