Vale revela sua visão do futuro

Em apresentações para investidores e analistas em Londres e Nova York, no início de dezembro, a mineradora Vale expôs o planejamento estratégico para 2018 e próximos anos. De acordo com o diretor-presidente, Fabio Schvartsman, a companhia terá foco em abrir caminho para a criação de valor da empresa, através de iniciativas divididas em quatro pilares: melhoria do desempenho, estratégia clara, evolução na governança e referência em sustentabilidade.

Após reestruturação societária, a Vale migrou para o Novo Mercado no dia 22 de dezembro. Com isso, a empresa espera que o EBITDA do negócio de minerais ferrosos cresça na faixa de US$ 1,2 a US$ 2 bilhões, por volta de 2020, com ganho de US$ 3 a 5/t em eficiência, por cima de US$ 1/t já ganho na cadeia de suprimento em 2017.

 

Mineradora aplica US$ 150 mi em plantas

De acordo com Peter Poppinga, diretor-executivo de Minerais Ferrosos, “os investimentos em inovação e automação vão aumentar a eficiência operacional e valorizar os produtos premium de minério de ferro”, ressalta – isso inclui investimentos nas minas, plantas e logística. Um dos maiores investimentos ano que vem será na retomada das plantas de pelotização em São Luís (MA) e Tubarão (ES), com aplicação de US$ 150 mi.

Ramp-up do S11D está em +80%

A Vale afirmou nos evento no exterior que os quatro sistemas truckless do projeto S11D, no Pará, estão operando acima de 80%, na taxa de 6.500 t/h Vs capacidade de 8.000 t/h. Quando finalizado, o ramp-up do S11D reduzirá os custos em 47% das operações, segundo a empresa – e ao ser concluído em 2020, a mineradora estará produzindo no complexo 90 milhões de t/ano de minério de ferro.

O Centro de Operações Integradas (COI), recém-instalado na unidade da empresa de Águas Claras, Nova Lima (MG), dará suporte à gestão da cadeia de valor, com forte ênfase na logística que inclui os fretes marítimos.

Salobo III terá US$ 400 mi

Em Sossego, a empresa busca acessar o minério de maior teor no fundo do pit, empregando caminhões menores, além de estender a lavra à cava Pista; Salobo III consiste em expansão para 36 milhões t/ano, além de processar minério estocado (50 mil t/ano de cobre em concentrado); Victor é o depósito de alto teor em Sudbury, no Canadá, com potencial para 500 mil t/ano Cu e 200 mil t/ano Ni. Em Salobo, a mineradora ainda pretende investir US$ 400 milhões.

Tecnologias digitais na linha de frente

A mineradora cita como exemplos de tecnologias em fase de adoção os caminhões autônomos, sistemas analíticos preditivos, mais “inteligência” em planejamento e processos; inspeção e manutenção automatizadas; monitoramento de desempenho em tempo real — para alcançar ganhos de 8% na performance dos ativos; 11% em manutenção; e 5% na eficiência da força de trabalho.

Vale reduz capex de projetos de níquel em
US$ 1,6 bi

Ao reduzir a produção das minas de níquel em 40% em 2017 e 53% em 2018, em vista do preço spot do metal, a empresa cortou as inversões capex no valor acima nos projetos VNC, Voisey’s Bay, Thompson e na Indonésia. Em contrapartida, investirá mais na produção de cobre.

Notícias relacionadas

Prêmio de SST na mineração aborda tema sobre conse... Disseminado nas mais diferentes atividades industriais, o ruído é um conhecido agente físico de risco aos trabalhadores dos tempos atuais. Além dele, ...
Vale estuda ampliar S11D Peter Poppinga, diretor-executivo da Vale, disse durante conferência do setor que a mineradora estuda a expansão do projeto S11D, em Carajás (PA) – me...
Expansão de mina da Vale no Canadá é retomada A Vale irá dar continuidade ao projeto de ampliação de US$ 1,7 bilhão da mina de níquel de Voisey’s Bay, no Canadá. É que a mineradora concluiu acordo...
Investimentos da Vale deve se manter ao nível de U... A Vale anunciou os resultados financeiros de 2017. De acordo com a empresa, os investimentos alcançaram seu menor nível desde 2005, totalizando US$ 3,...
0

Comentar