Vale adota sistema integrado de gestão em suas 149 estruturas

Augusto Diniz – Belo Horizonte (MG)

Para gerir suas 149 barragens, sendo 109 em operação ou em implantação e 40 inativas, de 27 minas pelo Brasil, a Vale adota um conjunto de práticas reunidas no Sistema Integrado de Gestão de Riscos Geotécnicos. Com a maioria das barragens localizada no chamado Sistemas Sudeste Sul da mineradora – 118, no total -, onde se concentra um grande contingente populacional, a empresa redobra a atenção nas estruturas.

A engenheira Marilene Lopes, gerente de Gestão de Riscos Geotécnicos de Ferrosos da Vale, que apresentou o modelo durante o I Seminário Internacional de Tecnologia e Gestão de Barragens, realizado em Belo Horizonte (MG), no final de janeiro, explicou que antes existia uma gestão de segurança (com monitoramento, manutenção e inspeção), de riscos (análise e controle) e de emergência (elaboração do PAEBM – Plano de Ação de Emergência das Barragens de Mineração e treinamento), mas voltada a atender a própria empresa. Porém, após o acidente da barragem de Fundão, em Mariana (MG), em 2015, o contexto mudou, sendo necessário desenhar um modelo de aproximação com os stakeholders, ressaltou ela.

Pressões internas e externas, notadamente de agentes fiscalizadores, sociedade, comunidades do entorno de barragens e novas legislações fizeram com que se estabelecesse uma nova postura no tema barragens.

O Sistema Integrado de Gestão de Riscos Geotécnicos, de acordo com a definição da Vale, é a “interligação de componentes para alcançar um determinado objetivo. Tais componentes incluem a organização, os recursos e os processos. Portanto, fazem parte do sistema as pessoas, os equipamentos e a cultura, bem como as práticas e as políticas documentadas. O sistema integra todos os componentes do negócio da organização e num único sistema coerente, de forma que seja possível alcançar seu propósito e missão”.

Assim, a empresa passou a desenvolver aproximação nessa questão com os stakeholders apoiados em novos pilares, numa abordagem de desmistificação das estruturas de barragens, acompanhamento e suporte institucional.

Um desses pilares refere-se à necessidade de mostrar o papel das barragens no processo de mineração e valorizar o produto mineral na vida das pessoas.

PREVENÇÃO

O segundo pilar relaciona-se à cultura de prevenção com o sistema de gestão envolvendo pessoas, processos e informação. Na gestão de segurança, assegura-se a estabilidade física e segurança hidráulica da estrutura e garante-se o cumprimento dos requisitos legais, envolvendo monitoramento e inspeções, manutenção, plano de segurança e auditoria externa.

Na gestão de riscos, dentro do segundo pilar do Sistema da Vale, o objetivo é ter, através de um conjunto de ações coordenadas, a gestão efetiva e transparente de todos os riscos associados a estruturas geotécnicas, evitando perdas potenciais, por meio de análises de riscos, administração do portfólio e governança.

No pilar de operacionalização dos planos de ações emergenciais, os procedimentos recaem sobre o PAEBM, visando essencialmente a preservação de vidas humanas.

Por fim, no último pilar, o compromisso é de melhoria contínua voltada à redução da dependência da barragem de rejeito. Segundo dados da Vale, a produção a úmido das plantas de mineração da empresa alcançavam 60% em 2016; já a seco, ficou em 40%. A meta, até 2022, é baixar a produção a úmido para 30%, e elevar a seco a 70%, caindo drasticamente o uso de barragens em suas minas.

O Sistema Integrado de Gestão de Riscos Geotécnicos é composto por vários módulos, com tecnologia de ponta aplicada no monitoramento de estruturas, incluindo rede sismológica; ferramentas GIS (sistema de informação geográfica); levantamentos topográficos, aéreos etc.; e sistemas de dados.

 

Notícias relacionadas

Aveva – Salto digital na gestão de operações... A Aveva, pertencente ao grupo Schneider Electric, apresentou solução padronizada de gestão de ativos, com exemplos de diversos sites operacionais de m...
Gestão de barragens de rejeito será debatida no 9º... Barragens de rejeitos são estruturas complexas e dinâmicas. Os desafios para gerir esses reservatórios serão debatidos ao longo da programação da 9º e...
Mina subterrânea de Chuquicamata implanta sistema ... A mina subterrânea de cobre de Chuquicamata, da Codelco, em Antofagasta, no Chile, prevista de entrar em operação ano que vem, terá uma das maiores co...
Gestão de alarmes em sistema supervisório reduz so... Ana Paulo Campos, Claudia Souza Oliveira e Luiz Rogério de Freitas Jr.* Esse artigo apresenta a metodologia aplicada ao gerenciamento de alarmes do s...
0

Comentar