Mina usa sistema de “backfilling” bombeado

A mina de ouro de Bulyanhulu, localizada na Tanzânia, possui tanto uma operação subterrânea, onde ocorre o reaterro (backfill), como também um local de deposição de pasta onde são dispostos rejeitos de mineração.

Esta planta iniciou sua produção em 2001. As práticas de “backfilling” e empilhamento de pasta são muito comuns em todo o mundo. Na mina de ouro de Bulyanhulu são utilizadas duas bombas de pistão duplo Putzmeister HSP 25100 HP com duas unidades hidráulicas de 315 kW cada, projetadas para uma capacidade individual de 80 m³/h e uma pressão de 80 bar (1160 psi).

Os dois sistemas de bombeio foram instalados lado a lado e são conectados a uma tubulação de 200 mm. Um amortecedor (damper) de alta pressão é integrado à tubulação para reduzir os picos de pressão.

De acordo com a Putzmeister, há inúmeras vantagens na utilização da prática de “backfilling” e empilhamento de pasta, como: transferência com alto teor de sólidos minimiza o uso de água; reduzido escoamento de água contaminada para o meio ambiente; baixo risco de falha no processo de aterro durante a deposição de rejeitos; redução dos custos associados à construção de barragens convencionais em função a estabilidade da pasta; e bombeamento de pasta, que reduz a área de deposição de rejeitos em comparação com barragens convencionais.

A utilização de barragens de rejeito não é a melhor opção para o descarte seguro dos rejeitos. Mas a facilidade e o baixo custo de transporte de rejeito com baixa concentração de sólidos tornam essa opção comum nas minas no Brasil.

Os principais argumentos a favor da utilização do “backfilling” e empilhamento a seco são o descarte e transporte seguro do rejeito proveniente da extração do minério.

No coração de qualquer um desses sistemas, está a bomba Putzmeister, com tubo de transferência S (tipo KOS) ou com válvulas de assento (tipo HSP) com sistemas de tubulações de transporte ZX. As bombas Putzmeister permitem elevadas pressões nas tubulações e, por este motivo, distâncias de transporte de até 11 km desde a planta até a área de descarte, podem ser obtidas sem bomba intermediária.

Um comentário em “Mina usa sistema de “backfilling” bombeado

  • 19 de março de 2019 em 10:27
    Permalink

    Muito bom mesmo o artigo.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *