7 comentários em “Onde estão as áreas declaradas “em disponibilidade” pela ANM/DNPM?

  • 23 de abril de 2019 em 15:14
    Permalink

    Cumprimentos pela objetividade da análise. É preciso que nos preparemos para responder ao desafio de selecionar, dentre as áreas que serão postas em disponibilidade, aquelas de maior chance de sucesso. Já vou começar a tratar disso desde agora…

    Resposta
  • 24 de abril de 2019 em 14:58
    Permalink

    Gostaria de saber se já tem data marcada para esses processos entrar em disponibilidade pela agência nacional de mineração…

    Resposta
    • 27 de abril de 2019 em 16:42
      Permalink

      Olá Margareth,

      O setor mineral aguarda essa definição.

      Desde Janeiro de 2017 todas as áreas declaradas “em disponibilidade” pela ANM/DNPM aguardam definição das novas regras (Alteração do Código de Mineração) para disponibilizar essas áreas ao público interessado.

      Há rumores de que será em breve.

      Resposta
    • 7 de maio de 2019 em 18:58
      Permalink

      No estremo oste catarinense pode se encontrar alguma coisas campo ere

      Resposta
  • 27 de abril de 2019 em 16:32
    Permalink

    Prezado Ruben Horbach, agradeço seus comentários.

    Sabendo utilizar a imensa base de dados (de domínio público) existentes é possível identificar oportunidades atrativas para decisões de investimentos com boas chances de sucesso.

    Definindo uma área de interesse, tente realizar uma análise estrutural a partir de dados de topografia (modelo digitar de elevação) e, depois disso, integre esses resultados com os dados de aerogeofísica (mag e rad) caso esteja disponibilizada pelo Serviço Geológico do Brasil (antiga CPRM).

    Isso permitirá construir modelos geológicos (vetores) que ajudarão (embasam) a escolha do que é de interesse no universo de áreas a serem ofertadas pelo MME via Disponibilidade

    Desejamos sucesso ao seu time de exploração.

    Resposta
  • 3 de maio de 2019 em 13:45
    Permalink

    Eu gostaria de saber por que estão segurando este problema por tanto tempo e onerando empresas que pretendem retomar o processo e encontram-se impossibilitadas pela demora em retornar as disponibilidades. Outra questão é que sómente prospectando é que se encontra minério e em escala métrica. A concentração de registros em uma região nos permite supor o locais mais indicados em imagens de satélite.

    Resposta
  • 5 de maio de 2019 em 09:59
    Permalink

    Iede,
    Com relação ao seu primeiro questionamento – “por que estão segurando este problema por tanto tempo” – entendo (opinião pessoal) que a resposta está relacionada a procedimentos burocráticos da autarquia. Para se ter uma ideia, em 6 de outubro de 2016 foi assinado um “Acordo de Cooperação Técnica entre DNPM/CPRM/MME” objetivando desenvolver planos de ação relacionados (entre outros) a “Análise técnica de áreas declaradas em disponibilidade pelo DNPM” visando definir “potencial prospectivo” (a critério da CPRM/DNPM) sustentados por dados de geologia, geofísica, geoquímica e áreas especiais (unidades de conservação & terras indígenas) disponíveis na base de dados da CPRM (hoje Serviço Geológico do Brasil), DNPM (hoje Agencia Nacional de Mineração) e MME.
    Sugiro acessar o link publicado em 21 junho 2017 que pode ajudar numa melhor compreensão desse assunto: http://www.anm.gov.br/dnpm/banner-rotativo/areas-em-disponibilidade-para-pesquisa-mineral/palestra-áreas-em-disponibilidade-para-pesquisa-mineral-ou-lavra.

    A segunda parte de seu questionamento não me fica claro, porém, faço um comentário com base no que entendo possa ser a sua pergunta. Do ponto de vista de prospecção de oportunidades para investimentos esse cenário é atrativo. Dentro da cadeia produtiva do setor mineral o que orienta decisões de investimentos em Programas de Exploração Mineral é o comportamento do mercado de commodities (balanço entre demandas/consumo agora e projeções de consumo futuras por um lado e, por outro lado, suprimentos/minas em produção).
    Se um empreendedor tem interesse, por exemplo, em fertilizantes ou metais utilizados na produção de veículos elétricos ou baterias para armazenamento de energia (Cu, Li, Co, Mn, Ni, Zn, Pb, e Grafita/grafeno) a primeira pergunta a ser respondida é: nesse conjunto de áreas que serão declaradas em disponibilidade, onde há chance de se encontrar depósitos minerais de interesse?
    A resposta surge com a integração e processamento da base de dados disponível (de domínio público e/ou privado, incluir uma base topográfica de boa qualidade) para gerar informações (validadas) que embasam a construção de modelo(s) geológico(s) pelo(s) time/equipe(s) – geólogo(s) de exploração – para identificar, caracterizar e definir ambientes geológicos com vocação para hospedar depósitos minerais de interesse. Ninguém faz aporte financeiro em projeto para procurar urso polar na Antártida ou, do mesmo modo, procurar pinguins no Ártico.

    Decisões para investimentos em Programas de Exploração dependem da qualidade do modelo geológico apresentado ao investidor.

    Agradeço suas perguntas.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *