Blog

A era do carro elétrico e as oportunidades para o Brasil

O carro elétrico tem três vezes mais cobre do que o modelo de combustão interna. Começa pelo próprio motor elétrico, passa pelos sistemas de freios regenerativos de energia, cabos condutores para as baterias elétricas, e nos equipamentos elétricos e audiovisuais já habituais dos automóveis. Enquanto um veículo tradicional usa até 25 kg de cobre, um elétrico pode consumir ate 80 kg. O metal vermelho também se beneficia da cadeia de reciclagem já existente no mercado há décadas.

A estrela da nova era, entretanto, é o lítio, usado nas baterias recarregáveis exigidas pelos carros elétricos. Elas respondem por 50% do custo do veículo. Essa dependência é tal que a
montadora pioneira Tesla ergue sua própria gigafábrica — que é literalmente seu nome – em parceria com a Panasonic em Reno, Nevada, nos Estados Unidos, com capacidade não somente para baterias automotivas, mas também unidades residenciais alimentadas por energia solar — outro negocio inovador que a empresa lançou. Isso levou a uma corrida por novas reservas de
lítio pelo mundo nos anos recentes, valorizando os depósitos de sais no Chile, Bolívia e na Argentina, equivalentes a 70% dos recursos conhecidos desse mineral.

No Brasil, estudo iniciado em 2012 e divulgado em março passado pela CPRM revela depósitos promissores de lítio no Vale do Jequitinhonha, nordeste de Minas Gerais, com elevado potencial de exploração econômica. Existem 45 depósitos associados a pegmatitos no País, a maioria em território mineiro, podendo multiplicar por 20 as reservas nacionais, que saltariam de 0,4% do total estimado mundial para 8%, ficando em quinto no ranking global.

Entretanto, o cobalto é visto como ameaça à crescente produção de baterias recarregáveis, reduzindo ao mesmo tempo seu custo, por causa da sua disponibilidade irregular.

Como subproduto de depósitos de níquel, este metal teve sua produção reduzida em anos recentes em diversas minas por causa do baixo preço. O maior produtor global é a República
Democrática do Congo, onde conflitos internos há décadas colocam em dúvida a capacidade de uma produção suse tentável — e aceitável em termos globais, do ponto de vista
ético e humanitário.

Assim como os eletrodos positivos são feitos com óxidos metálicos de lítio, os negativos usam grafita — outro mineral que nunca atraiu maior atenção das mineradoras. Ela está ligada aos primórdios da humanidade, quando os homens de caverna grafitaram suas paredes com desenhos rupestres sobre suas caçadas, e os egípcios decoraram seus vasos cerâmicos.

Cerca de 50% dos depósitos estão na China e 27% no Brasil.

Cinco anos atrás, as baterias do Nissan Leaf, carro 100% elétrico, requeriam 40 kg de grafita.

Moçambique começou a explorar o maior depósito de grafita conhecido, operado pela australiana Syrah Resources, em Balama, província de Cabo Delgado, que ambiciona ser o fornecedor
global desse mineral com alto grau de pureza — no formato esférico revestido, mais valorizado no mercado.

E existe ainda o novo material chamado grafeno, cujo instituto de pesquisa no País se encontra na Universidade do Mackenzie, em São Paulo, associado à Universidade de Manchester, na Inglaterra.

É basicamente uma folha muito fina de carbono, parecido com favo de mel, cuja espessura é de um átomo, de modo que o grafeno é chamada também matéria em 2D. Os cientistas Andre
Geim e Konstatin Novoselov descobriram esse material usando grafite de lápis e uma fita adesiva.

Suas propriedades são extraordinárias. Têm propriedades excepcionais de resistência e leveza, podendo ter uma espessura extremamente fina e conduz calor e eletricidade. A dificuldade é produzi-lo a custo competitivo com relação aos outros materiais existentes que não vão querer ceder espaço.

Eis os novos desafios à mineração brasileira proporcionados pela nova era do carro elétrico. A Agencia Nacional de Mineração pode se unir a instituições privadas para conquistar um espaço relevante no mercado global no futuro próximo (não longínquo) — não precisamos de mais um plano estratégico, mas um programa de medidas efetivas com prazos e custos que possam ser viabilizados por mecanismos de mercado.

0

Comentar