Dedicada à Redução de Custos, Aumento de Produtividade e Manutenção Industrial na Mina e na Planta
Dedicated to Cost Reduction, Productivity, Industrial Maintenance at the Mine and Plant
Youtube
Twitter
Flickr
Youtube
Contact
 
Indústria de cimento investe no médio prazo
Setor espera que medidas no cenário político-econômico resultem na retomada da economia e do crescimento da construção civil. Boa notícia é que País ainda possui alto déficit habitacional, carências gigantescas em infraestrutura e baixo consumo per capita de cimento
Guilherme Arruda
 

 
Impactado pela crise político-econômica que afeta o País, as vendas de cimento para o mercado interno brasileiro no primeiro trimestre de 2016 atingiram 13,9 milhões t, uma queda de 14,7% em relação a igual trimestre de 2015. Segundo projeções do Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (Snic), a previsão é de uma queda em torno de 15% nas vendas de cimento em 2016, ficando abaixo das 60 milhões t. Caso isso ocorra, o recuo ficará acima de 2015, que foi de 9,2%.
 
Por outro lado, a necessidade de melhorias na área de infraestrutura em todo o País, o déficit habitacional e de saneamento básico; e a retomada de obras paralisadas reascendem a esperança do setor a longo prazo. Sendo assim, especialistas afirma que os aportes recentes para aumento da capacidade e em novas unidades não serão em vão. Na última década, de 2005 a 2015, a indústria de cimento brasileira aumentou a sua capacidade produtiva de 60 milhões t para 90 milhões t.  Atualmente, o setor opera abaixo dos 70% de utilização da capacidade instalada.
 
De acordo com José Otavio Carvalho, presidente da Snic, o setor foi afetado, principalmente, pela paralização de obras de moradia e infraestrutura.  Segundo ele, diversas obras em todo o País estão paradas e sem perspectiva de reinício a curto prazo.
 
Somado a isso, tem-se o aumento da energia elétrica, dificuldades para o acesso ao crédito (custo do capital) e a alta do combustível. Segundo Carvalho, atualmente, as companhias gastam mais para produzir cimento quando comparado com anos anteriores e têm tido dificuldade para repassar os custos para os consumidores em função da queda da demanda.
 
As vendas de cimento acumuladas no período de janeiro a maio de 2016 alcançaram 23,2 milhões t. Na comparação com igual período de 2015 caíram 13,9%. As vendas acumuladas nos últimos doze meses (junho de 2015 a maio de 2016) atingiram 61 milhões t, uma retração de 11,3% sobre igual período anterior (junho de 2014 a maio de 2015).
 
No primeiro trimestre, todas as regiões do País tiveram queda nas vendas de cimento, segundo os dados do Snic, com destaque para os recuos de 22,8% no Centro-Oeste, 16,3% no Sudeste e 15,3% no Nordeste. O desaquecimento do setor de construção civil também influenciou negativamente a venda de aços longos, que como o cimento também são amplamente empregados nas obras de construção civil. No primeiro bimestre, os negócios com o insumo caíram 14,5% sobre o mesmo período no ano passado.
 
Raio-x do setor
Componente básico do concreto, que é o material mais consumido no planeta depois da água, a produção de cimento é um dos indicadores de desenvolvimento do país. Isto porque o insumo é utilizado intensamente pelo setor de construção civil para a construção de estradas, pontes, indústrias, residências, estabelecimentos comerciais, ou seja, empreendimentos que demandam muitos materiais, mão de obra e produtos acabados.
 
 Neste cenário, as empresas de cimento investem no aumento de suas capacidades e puxam, consequentemente, o consumo de insumos de base-mineral utilizados para a sua fabricação, como calcário, argila e gipsita (gesso). Proporcionalmente, o calcário apresenta maior participação na combinação de substâncias exigidas para a produção de cimento, calculando-se uma relação da ordem de 1,4 t de rochas calcíticas para cada tonelada de cimento produzida.
 
Nos últimos 10 anos, a indústria brasileira de cimento dobrou de tamanho, passando da 10ª colocação em consumo no mundo para o 4º lugar, ficando atrás apenas da China, Estados Unidos e Índia. Em 2010, por exemplo,  o mercado doméstico consumiu 59 milhões t. Em 2011 com 64 milhões e, em 2012, com 68 milhões.
 
O parque industrial cimenteiro do Brasil é formado por mais de 20 grupos, onde se destacam: Votorantim, João Santos, Cimpor, Intercement, Lafarge-Holcim, Nassau, Mizu, Tupi, CSN, Grupo Brenand, Ciplan, Itambé, entre outros.
        
Votorantim irá manter investimentos
De acordo WDissinger, presidente da Votorantim Cimentos, a empresa irá manter os investimentos programados para os próximos anos. Apesar da queda da demanda, a empresa, maior produtora de cimento do País, optou em seguir com seus aportes em função dos bons resultados do seu programa de cortes de custos operacionais e aumento da eficiência produtividade.
 
No ano passado, a companhia iniciou a operações da planta de Edealina, que recebeu aportes de R$ 600 milhões, possui uma capacidade produtiva anual de 2 milhões t de cimento e será abastecida com o calcário explorado na mina Boa Vista, localizada próxima a fábrica e com vida útil estimada em 45 anos. No depósito, a empresa pretende extrair cerca de 12 mil t do minério por dia, que processado com argila e corretivos dará origem ao clínquer, principal matéria-prima para a fabricação de cimento.
 
No âmbito internacional, a cimenteira dará continuidade ao seu programa de investimento que vai até 2018, com expansões nos Estados Unidos, Argentina, Turquia e uma nova unidade na Bolívia. 
 

As vendas de cimento acumuladas no período de janeiro a maio de 2016 alcançaram 23,2 milhões t


Publicidade
  • newsletter MM
  • Boart Long Year
  • JLG
  • Voestalpine
  • JLG
  • Banner Esco
  • Mineiração
  • Tecnologia do Concreto
  • MSA
  • IM Mining
  • martin
  • 19 premio de excelencia
  • VIII Workshop
  • Sandivk
  • Tega
  • banner da Osisoft
  • contato internacional
  • JLG
A republicação e divulgação de conteúdos públicos são permitidas, desde que citados fonte, título e autor. No caso dos conteúdos restritos, não é permitida a utilização sem autorização do responsável. É totalmente livre a citação da URL do Portal (http//www.revistaminerios.com.br) em sítios e páginas de terceiros.
© 2017 - Revista Minerios - Todos os direitos reservados.
L2 Comunicação e Tecnologia